Os vestidos de noiva da realeza britânica

Sabia que o vestido da noiva Meghan Markle é releitura de um clássico desenhado para Audrey Hepburn? Conheça a história dos vestidos de noiva da realeza britânica nessa nossa retrospectiva.

Quem não acompanhou ao vivo, deve pelo menos ter se deparado com flashes – e muitos flashes – do casamento real, que aconteceu no último sábado (19/05). As expectativas para esse grande evento/conto de fadas eram imensas, e a maior delas, sem dúvida alguma, era com relação ao vestido que seria usado pela noiva, a atriz norteamericana Meghan Markle. A marca escolhida por ela foi a maison francesa Givenchy, hoje comandada pela britânica Clare Waight Keller.

Apesar do modelo ter sido considerado simples demais, o véu de cinco metros carregado pela noiva simbolizou “o desejo de ter todos os 53 países da Commonwealth com ela em sua jornada pela cerimônia.” Isso foi representado pela composição floral em sua barra, com um tipo de flor para representar cada um desses países. Segundo declaração oficial, “A família Commonwealth de nações – da qual Sua Majestade a Rainha é líder – será uma parte central do trabalho oficial do príncipe Harry e da sra. Markle, seguindo os compromissos de Sua Alteza Real como Embaixador da Juventude de Commonwealth. Sra. Markle quis expressar sua gratidão pela oportunidade de apoiar o trabalho da Commonwealth incorporando referências a seus membros no design do vestido de noiva.”

Agora vamos relembrar os vestidos usados pela Rainha Elizabeth, pela Princesa Diana e pela Duquesa de Cambridge (Kate Middleton) em seus casamentos?

 

Rainha Elizabeth (20/11/1947) – Era o fim da Segunda Guerra Mundial e a Inglaterra passava por uma crise financeira. O vestido foi pago com cupons de racionamento ao invés de dinheiro, que era a moeda usada naquele momento. Apesar das “dificuldades”, o vestido era pomposo e seguia o design da moda na época e tinha como função dar esperança ao povo, de que dias melhores estariam por vir. Quem assinou a peça foi Norman Hartnell, estilista britânico que dedicou toda sua carreira à criação de vestidos para a realeza britânica.

 

Lady Diana Spencer (29/07/1981) – A Princesa começou a quebrar alguns protocolos antes mesmo de se casar: foi ela quem escolheu seu anel de noivado (de um catálogo) e quem selecionou os estilistas para disputarem a confecção do seu vestido. O escolhido foi o casal formado pelo galês David e a britânica Elizabeth Emanuel, que o definiu muito bem o modelo volumoso, com enormes mangas bufantes e babado ao longo do decote: “dramático o suficiente para deixar uma impressão.”

 

Kate Middleton (29/04/2011) – Exceto por manter os cabelos soltos ao invés de presos em um coque, a esposa do Príncipe William não quebrou muitos protocolos em seu casamento (sim, cabelos presos está entre um dos tantos protocolos). Extravagante porém com design clássico, o vestido com corpete e mangas de renda foi confeccionado por Sarah Burton, da casa britânica Alexander McQueen.

 

Meghan Markle (19/05/2018) – A atriz norteamericana não é herdeira de nenhuma família endinheirada ou com títulos nobres. Ela já foi casada antes e esse fato, apesar de não ser inédito na realeza britânica, é bastante polêmico. O pai da Rainha Elizabeth, o Rei George, apenas herdou o cargo porque seu irmão mais velho, Eduardo, abdicou ao título para se casar com uma mulher divorciada. A escolhida de Eduardo foi a americana Wallis Simpson, e essa é uma coincidência e tanto com a história de Harry e Meghan…

 

O desenho do vestido, como falamos, ficou a cargo da Givenchy por Clare Waight Keller – a primeira mulher a comandar a casa, vale lembrar -, que resgatou as formas simples do modelo desenhado pelo próprio Hubert de Givenchy para Audrey Hepburn usar no filme “Cinderela em Paris”, de 1957. Repare como o decote, elemento mais importante da peça, e o tecido liso foram mantidos exatamente os mesmos. Clássicos são clássicos!

Fotos: Getty Images e reprodução

Posts Relacionados

Deixe um comentário