#TIMESUP #WHYWEWEARBLACK

A post shared by #TIMESUP (@timesupnow) on

Um ato de protesto contra o assédio sexual na indústria cinematográfica roubou a cena da cerimônia do Globo de Ouro na noite passada (07/01). Batizado de Time’s Up Now, o movimento, que conta inclusive com uma conta no Instagram, levou convidados e indicados aos prêmios a vestirem looks inteiro pretos como forma de chamar a atenção para essa violência, que eclodiu meses atrás com os casos envolvendo o produtor Harvey Weinstein.

As emissoras que transmitiram o tapete vermelho em tempo real deram seu apoio ao movimento não perguntando, como de costume, os créditos dos looks das personalidades, mas o grande tema da noite não foi tão explorado como gostaríamos, e o improviso tomou conta das entrevistas. Bom, já foi um começo!

Confira aqui as produções dos convidados, indicados e ganhadores, e repare-se para muito preto – e não é do pretinho básico que estamos falando…

Começando por uma das mulheres mais deslumbrantes de Hollywood, Angelina Jolie (acima) vestiu um modelo Atelier Versace arrematado por uma capinha transparente com plumas no barrado.

 

O mesmo truque da capinha foi adotado por Diane Kruger (acima), que vestiu Prada.

 

Em uma noite de protestos, houve ainda a lembrança pela igualdade salarial entre atrizes e atores. Claire Foy (acima) foi uma das poucas a adotar o conjunto de terno masculino para reforçar esse coro. Na borda de sua manga do paletó, assinado por Stella McCartney, ela carregava um pin com o sinal “50:50 Actresses Equal Representation”.

 

Uma das novas representantes do movimento de feministas, graças ao seu papel no filme “Mulher-Maravilha”, Gal Gadot (acima) vestiu um spencer curtinho sobre o vestido longo, assinado por Tom Ford. Para um bom entendedor…

 

Apesar de não vestirem terninhos, um time de atrizes optou por incluir a calça comprida no look de festa. Alexis Bledel (acima, à esq.), parte do elenco da série ganhadora “The Handmaid’s Tale”, foi de Oscar de la Renta; Debra Messing (acima, ao centro) e Christina Hendricks, optaram por Christian Siriano.

 

Elas foram de preto, mas com um olho no protesto, outro na tendência dos vestidos com carinha vintage. Alicia Vikander (acima, à esq.) de Louis Vuitton; Sarah Jessica Parker (acima, ao centro) de Dolce & Gabbana; e Margot Robbie (acima, à dir.) de Gucci.

 

Dakota Johnson (acima, à esq.); Sadie Sink (acima, ao centro) de Miu Miu; e Elisabeth Moss (acima, à dir.) também.

 

Mais um alerta tendência identificado: vestidos de modelagem assimétrica, com destaque para os detalhes metálicos. Quem vestiu foi Saoirse Ronan (acima, à esq.), de Atelier Versace; Mary J. Blige (acima, ao centro) de Alberta Ferretti; Kelly Clarkson (acima, à dir.) de Christian Siriano.

 

No quesito inovação: Tracee Ellis Ross (acima), de turbante preto amarrado na cabeça, como parte da criação assinada por Marc Jacobs.

 

Até teve pretinho básico, vá – na modelagem, não na intenção! Emilia Clarke (acima, à esq.) de Miu Miu; Natalie Portman (acima, ao centro) de Dior; Reese Witherspoon (acima, à dir.) de Zac Posen.

 

Outros clássicos como renda e transparências ainda são colocados em prática, e não devem sair nunca dos tapetes vermelhos: Helen Mirren (acima, à esq.) de Zuhair Murad; Nicole Kidman (acima, ao centro) de Givenchy; Penelope Cruz (acima, à dir.) de Ralph & Russo.

 

Aliás, as transparências ainda não apresentaram um prazo de validade: Kate Hudson (acima, à esq.) de Valentino e Catherine Zeta-Jones (acima, à dir.) de Zuhair Murad.

Fotos: Getty Images e reprodução

Da Redação