Já há algum tempo a ideia de reciclar, recuperar e arrumar novas funções para objetos usados tenta se instalar entre nós, mas apesar dos esforços dos ambientalistas para despertar essa consciência de reaproveitamento, ainda tem gente que guarda certa resistência à questão. Enquanto isso, lá na Suécia, além de apenas 1% dos resíduos domésticos irem para aterros, o país também pretende incentivar a cultura do reparo com uma redução de impostos sobre serviços desse tipo (de consertos de roupas a eletrônicos). Ou seja, o “quebrou, comprou” deve ser substituído pelo “quebrou, arrumou”. Ainda por lá, na cidade de Eskilstuna, o cento comercial ReTuna (foto) vende apenas produtos reciclados e conta com oficinas onde você pode deixar o que não usa mais para ser reparado e vendido no próprio local. Em Edimburgo, na Escócia, o Edinburgh Remakery, aberto em 2016, também surgiu com a proposta de recuperar e comercializar objetos descartados, mas foi além ao oferecer cursos de capacitação para que as pessoas aprendam a fazer pequenos reparos em seus itens pessoais. Inspirador, não é?

Foto: Reprodução

Regina Lemos é uma advogada apaixonada por moda e beleza. Ela é colaboradora assídua do Blog do MorumbiShopping.